Em meio às turbulências políticas e econômicas dos últimos quatro anos, os trabalhadores permanecem na fronteira entre a exploração, a sobrevivência e a falta de perspectiva. As retiradas de direitos impostas por um governo ilegítimo, em paralelo a continuidade do crescimento da exploração por parte das empresas, tem levado todos e todas aos limites extremos.

Trabalhadores estão em manifestações contra a bagunça em que se transformou o pais em meio a denúncias de corrupção, passividade de boa parte da população e menor ação do judiciário e maior da polícia. O aumento da violência é consequência da queda do poder de compra e da diminuição da renda de todos, porém, na contra mão dessa triste realidade, há concentração de aumentos salariais nas mãos de uma minoria.

No nosso setor é igual. Alguns diretores e gerentes são remunerados em valores muito superiores ao que a imensa maioria recebe. E são remunerados para conter as reações dessa maioria que precisa, mais que nunca, dos sindicatos, mesmo essa necessidade não ser consciente em muitos.

A Diretoria do SINTTEL-CE, FENATTEL, CUT e os movimentos sociais têm insistido na busca de melhores condições e na tentativa de ampliar o acesso às informações de interesse dos trabalhadores. Sabemos que há grande manipulação dessas informações por parte dos grandes veículos de mídias. Mas infelizmente, são eles que chegam à casa dos trabalhadores com maior espaço que o boletim do SINTTEL-CE.

A manutenção do emprego é sempre o primeiro objetivo de todos, mas não podemos permitir que isto seja posto como chantagem como muitas empresas praticam. A dignidade, o respeito, o amor próprio são muito maiores que a difi culdade de união. De um lado, as empresas do teleatendimento enrolam os trabalhadores sem cumprir o acordo assinado por elas, há menos de 1 ano, onde chegam até atacar a vida humana. Já as operadoras reduzem o valor de contrato das suas prestadoras que transferem a pressão aos trabalhadores com jornadas excessivas, bancos de horas absurdos e assédio moral em alto grau e, até, descumprimento da legislação, pondo em risco a vida de muitos. Tudo graças à famigerada nova Reforma Trabalhista que busca aniquilar os sindicatos.

A Campanha Salarial das empresas prestadoras de serviços de rede em abril está em inicio neste cenário. Em ano de eleições gerais conturbadas por um governo sem credibilidade, imerso em denúncias que insiste em permanecer no comando do país. O SINTTEL-CE alerta aos trabalhadores: antes de decidir seu voto, pesquise e veja quem fez algo ao seu favor ou contra. Há diversas publicações sobre a atuação de deputados, senadores, etc.

A eleição ainda está longe, mas todos precisam de muitas informações antes que seja tomada uma decisão. A assembleia que aprova ou nega nosso acordo vale por um ano, mas os eleitos fi carão lá por quatro ou oito anos. E o que eles decidem, mexe sim no bolso de todos! 

Presidente João Cezar Barbosa de Assis - SINTTEL–CE
 

 
 

 
Veja mais
  • A terceirização e os trabalhadores(as)
  • Com veto do stf a financiamento, partidos buscam saídas
  • No limite da tolerância
  • O poder dos donos
  • Muitas dificuldades
  •